Fala Mestre


Castelo Sensorial! Um mundo de possibilidades e aprendizado

Partindo das contribuições mais recentes da neurociências no que diz respeito a importância das experiências vividas pela criança em seus primeiros anos de vida e como estas influenciam diretamente a arquitetura cerebral, resolvemos construir em nossa escola um espaço totalmente sensorial, o qual denominamos Castelo Sensorial. Imagina um castelo inteirinho para a criança explorar? Um lugar onde a imaginação dará asas a criações e invenções? Este lugar existe e fica bem aqui na nossa escola.

O mundo que nos cerca, é cheio de informações que nos chegam através dos sentidos: tato, olfato, visão, audição, gustação, proprioceptivo e vestibular, o que por si só, nos mobilizou na construção do nosso Castelo Sensorial, promovendo de forma lúdica e atrativa o contato das crianças com as mais diversas sensações, despertando o desejo, a curiosidade e o encantamento de aprender. Partimos do princípio que o sistema sensorial funciona como eixo fundamental entre a função do prazer e o aprendizado com significado, potencializando entre outras habilidades, as funções cerebrais da criança, buscando expandir o desenvolvimento cognitivo, capacitando competências, aquisições, saberes e descobertas, além da atenção, concentração, coordenação motora ampla e fina.

Toda criança adora abrir e fechar portas e janelas, não é mesmo? Então porque não aproveitar deste interesse e possibilitar diferentes formas de aprendizado? Assim, instalamos no nosso castelo várias janelas, que se abrem de maneiras diferentes e estimulam não só a inteligência como também habilidades motoras e a criatividade, pois quando estas janelas se abrem, o encanto e o entusiasmo tomam conta, afinal a professora tem o cuidado de sempre colocar uma imagem e/ou pequenos objetos para que a criança brinque, construa, crie e experimente.

Buscamos reunir materiais simples, que encontramos em nossas casas como tampas de embalagens de diferentes tamanhos, cores, texturas; peneiras de cozinha, bacias, potes, prendedores de roupa, entre outros para que as crianças possam explorar e brincar enquanto o educador se coloca a escutar, a ver, a observar e interpretar as ações e pensamentos das crianças favorecendo a aprendizagem.

Outra funcionalidade a ser destacada pela exploração sensorial é a possibilidade de se criar memórias a partir do prazer, no qual estas fundem-se, e dão origem ao raciocínio. Essa complexa abordagem de informação e ludicidade, traz consigo sentido e significado, fazendo com que o cérebro, assimile e compreenda conceitos, que serão transformados em conhecimentos, contextualizados e aplicados no dia a dia. Uma das estratégias que utilizamos é vendar os olhos da criança e pedir-lhe que passe a mãozinha nas letras texturizadas do alfabeto que se encontram afixadas no painel do castelo, até que descubra pelo tato qual é a primeira letra do seu nome. Outra variável, é quando colocamos uma bacia de água morna com várias letras de EVA dentro e deixar que a criança ainda de olhos vendados, descubra qual a última letra do nome.

 

Desta maneira, estimulamos o processo de aprendizagem pelas vias sensoriais, uma vez que a ludicidade aguça a curiosidade e esta por sua vez, aguça o desejo e o prazer em aprender, buscando criar memórias que se consolidarão na perspectiva cognitiva.

É fato que não nascemos com um banco de dados construído, este começa a ser formado na primeira infância e subsidiará todos os demais conhecimentos que farão parte do nosso mundo mental. Por isso, quanto mais atraentes, precisas e claras forem estas informações nos anos iniciais, melhores são as possibilidades de aprender. Como nossos alunos estão na fase de ouro da Neuroplasticidade, possibilitamos ao cérebro utilizar de diferentes canais para a entrada do conhecimento, considerando que cada indivíduo possui uma preferência sensorial dominante, que desenvolve com mais ou menos eficácia, respeitando o estilo de aprendizagem de cada sujeito.

Visto que as crianças amam tocar os objetos para depois reconhecê-los, nosso Castelo Sensorial proporciona oportunidades e orientações efetivas considerando a memória, a percepção, a emoção e a função executiva como habilidades indispensáveis para o desenvolvimento, fazendo com que nossos alunos não só aprendam, como também disponham de memórias que possam ser evocadas quando necessárias, visando a formação completa, contextualizada, dinâmica e participativa dos nossos alunos, tornando-os verdadeiramente protagonistas de sua infância, enfatizando o prazer como precursor do aprender.

O caminho do intelecto passa pelas mãos.

Maria Montessori

 

Patricia de Sena Pirfo

Psicopedagoga – Diretora pedagógica da Terra do Saber

 Wanda Luiza Santos Muschioni

Neuropsicopedagoga – Coordenadora pedagógica da Terra do Saber

 

Arquivo Fala Mestre